terça-feira, fevereiro 19, 2008

see it throught the silver mirror!

Hiatos tocam trombetas, pimentas malaguetas, e eu fico a achar que posts vêm sozinhos. A língua vêm sozinha. Idéias voam ao redor de sua cabeça e ela só escapou do seu tapa por que você não foi rápido o bastante.

Não voam. Não vêm. A palavra é um espelho de prata, refletindo a lua nova na madrugada e você se esforça para se enxergar antes de desistir ou não, dependendo do quanto você está acostumado a enxergar na escuridão.

Não pense, leitor, que enxergar na escuridão requere apenas olhos atentos e pacientes! Não pense que é só uma estrofe bonita quando Chico canta:

"Mesmo que você feche os ouvidos
E as janelas do vestido
Minha musa vai cair em tentação
Mesmo porque estou falando grego
Com sua imaginação
Mesmo que você fuja de mim
Por labirintos e alçapões
Saiba que os poetas como os cegos
Podem ver na escuridão
E eis que, menos sábios do que antes
Os seus lábios ofegantes
Hão de se entregar assim:
Me leve até o fim
Me leve até o fim"


Já não sei onde está o banditismo na fala que me fazia ao menos versar. Já tenho batido muito minha cabeça nas paredes deste lugar. Não posto por não ter o que dizer, e isso é justo.

Não há nenhum desejo de matar este blog, honestamente. Tenho esperado palavras e elas não vieram, pelo menos na hora certa, pois elas não vêm. Eu que tenho que ir a elas, sendo humano o bastante, mais do que eu sou, todo fraco ante tentações. Sou eu que, homem feito, não pode deixar de deixar a coluna, que se curva sem se notar, reta.

A tristeza e a solidão não me bastam como post mais. Isso é para quem não quer chegar às verdadeiras palavras, ou enxergar a escuridão. Hoje não vi, por exemplo, o quanto enrolei para chegar até aqui.

Para se enxergar na escuridão, é preciso todos os 6 sentidos. Para te enxergar na escuridão, preciso de 6 sentidos. Para vos enxergar na escuridão...

Eu desejei para 2008, Paixão, Perseverança e Paz de Espírito.

Por isso o post abaixo que terminei não finalizando antes, e, infelizmente, ainda é verdade.



Hiatos comprovam o quanto eu tenho deixado de escrever. Onde estão os curtos papéis sujos de anotações estranhas, lunares e carregadas de significados? Onde estão os versos que surgem durante as passagens de ônibus? Cadê o devaneio perfeito?

Eu me digo onde está! Está exatamente nas suas costas, preso. Você não encontra porque qd se vira, ele acompanha. Suas mãos não alcançam pois não é de sua anatomia conhecer o que há atrás de você. Mas não quer dizer que você não possa alcançar...


Mas, convenhamos, este período até que não foi ruim. Sempre te dizem que quando você se esforça, consegue se virar... Mas qual o sentido disso tudo? Aonde quer chegar?

A preguiça ainda vive, com charutos acesos e pantufas sobre carpete carmesim. Ele lança sua sombra sobre mim, como a um homem sobre o palco olhado sobre um filtro negativo. E você é o único culpado por deixá-lo assim folgado.


Tudo o que vejo é um homem que não sabe que cresceu, ou não quer saber, ou não consegue mesmo.


Crítica. É preciso treinar sua auto-afirmação e sua postura e disciplina com críticas.

Sê forte!




music of the day: Spoon - The Underdog



Tatsuya Ishida - www.sinfest.net

3 Comments:

Blogger Kênia said...

adoro te ler!
beijos,

Kênia

9:21 AM  
Blogger Kênia said...

reativo! ou melhor, reativa!
hugs,
k.

11:25 PM  
Blogger Cacau Maria said...

Engraçado, lendo seu texto me identifiquei... Passo por hiatos constantemente...
Seus rabiscos são gostosos de se ler...

10:57 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home